sexta-feira, 4 de março de 2011

Um convite para a reflexão

Olá a todas!

Li os depoimentos divertidos sobre o tema, desse que tem sido o grande dilema das mulheres nas últimas gerações.

Está aqui um convite para a reflexão. Que todo mundo corre, já não há qualquer dúvida. Que tudo diz respeito a prioridades e ao planejamento, também não.
Corremos tanto porque? Para que?

As respostas estão na ponta da língua: pagar bons colégios, vestir bem, morar bem, dirigir bem, ter carreira, ser independente, patati e o patatá. Tudo muuuito válido, sem dúvida.
Mas no coração do vulcão, na correria do dia a dia, nos esquecemos de ponderar o que é mais importante de verdade.

Existe uma brincadeira, que já foi simulada na televisão, onde, na rua, duas pessoas vem correndo gritando que tem um enxame de abelhas se aproximando. Mentira, claro. Em menos de um minuto, tem mais de quatrocentas pessoas correndo apavoradas gritando "abelha! abelha!".

A gente corre sem refletir, por medo e por necessidade. Ou por achar que tem necessidade.

O tempo não deveria ser um inimigo a ser combatido, algo que se lute contra.

O tempo é o momento presente da vida, que só anda para frente, não volta jamais.

É o senhor mais justo: passa igual para TODO mundo, seja no Brasil ou no Japão, para o feio ou o bonito.

Ele nos convida para a vida, mas nós acreditamos piamente que ele nos massacra. O seu tic-tac nos deixa neuróticas e nos deixa uma nota fiscal do que não conseguimos fazer naquele dia.

Faz mesmo sentido isso tudo? Ele deve ou estar rindo da nossa cara ou estar apavorado com tanto stress!

Como experiência pessoal, após 10 anos de uma carreira consistente e com a chegada do meu primeiro filho, meu coração sabia q eu tinha q parar. Trabalhar 14 horas por dia e ter filho seria algo incompatível, sem qualquer sentido. Era melhor nem ter filhos.

Pensar em usar o cartão de crédito do meu marido me dava até tremedeira, era algo inimaginável.

Após alguns meses de terapia, para deixar o coração convencer o cérebro, tomei coragem e a decisão de parar, pois acreditei que não poderia ter tudo o tempo todo. Vamos fazer 10 coisas com qualidade e intensamente de cada vez, não 1.000 mais ou menos.

Hoje, não vivo me debatendo nas coisas que tenho para fazer, o tempo é mais meu amigo do que inimigo. Não fico parada, mas também não sou stressada. E olha que a minha lista, como a de todas vcs, não é pequena.

Quando li os depoimentos, me senti parte da história de cada um, tão similar. Foi quando senti que tinha que filosofar, não havia jeito...rsrsrs...sinto muito.

Essas decisões são pessoais, não há o certo nem o errado.

Mas é preciso ter coragem. Coragem de reconhecer para que realmente serve tanta correria, tanta culpa.

O tempo vai nos cobrar isso, certamente.

E olha, a tremedeira do cartão de crédito passa rapidinho...rsrsr..

Um beijo a todas!!
Renata.

4 comentários:

Bella&Rafa disse...

TREMEDERA DO CARTÃO AQUI, É QUANDO CHEGA A FATURA!!!! KKKKKKK...
BJS...

Dani Marques disse...

ótimo seu texto coerente e maduro.
Adorei, quando crescr que ser igual a vc,
bjoca Re

Angela disse...

Concordo, condordo, concordo! É isso!!

Beijoooosss

Maria Fernanda :: www.clavedelua.com.br disse...

Lindo seu texto! A vida é feita de escolhas. O problema é que a gente deixa o barco correr e as nossas escolhas vão nos escapando... E por falar no trauma do Cartão de Crédito, eu também já passei por isso - e já superei, felizmente kkkk!!
Beijão!