quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Namorar, o que é isso mesmo?

Tenho um relacionamento que por si só já é anormal. Conheci meu marido na internet há 12 anos. Quando vim conhecê-lo nunca mais voltei.

Nós parecemos "Os Normais", só que mais engraçado e mais aprimorado. Tem gente que acha engraçado e tem gente que se enche logo porque acha que estamos brigando o tempo todo.
Nunca fomos muito namoradores. Desses que ficam no colinho, de mãos dadas, abraçados... Vendo filminho junto e tal. Lembro que todas as vezes que fui ao cinema foi depois de briga feia, pra fazer as pazes, e sempre por convite dele. Acho que ele prefere fazer as pazes no cinema porque não dá pra falar. :/

Esse é nosso histórico.

Já grávida notei que meu marido é daqueles que acha que quando a mulher está grávida vira a Virgem Maria, incapaz de pensar coisas impuras. (Ninguém merece isso!!!)

Depois que a Nina nasceu a gente ficou mais unido por conta da cria, mas realmente namorar foi algo difícil de retomar, ainda mais com o nosso curriculo.

Meu parto foi normal e demoramos uns 3 meses para iniciar a nova vida sexual. E foi complicada devido os cuidados com a cria. É difícil arrumar tempo para isso. E quando você consegue arrumar e tá lá no rala e rola e começa aquele choro básico totalmente brochante?

Quando Nina tinha 10 meses engravidei novamente e novamente me tornei a Virgem Maria, a intocável, a pura, a casta, a santa...

Algo bobo que nos ajudou foi ver um programa da GNT chamado Nós e Eles em que o convidado foi o Casseta Hélio de La Peña, autor do Livro do Papai - Como sobreviver ao seu Bebê. Ele trata o assunto de maneira engraçada e descontraída, assim como somos aqui em casa. Tem uma parte (que para nós mulheres não é problema algum) que ele conta como um pai deve fazer para manter a ereção quando o bebê chora no meio dos acontecimentos.

Não sei exatamente se foi a maternidade ou a chegada dos 30, mas eu ando mais interessada pela coisa do que era antes. Além de agora parecer muito mais prazeroso do que antes.
Ainda estou em crise por querer namorar mais e não conseguir, ainda mais sem babá ou qualquer outro ser, que pudesse dar uma voltinha alí com as pequenas.

Algo que eu posso deixar como depoimento é que por mais difícil que seja a gente sempre arruma um jeitinho.

Filme? Que isso mesmo? Ah! Aquelas produções que demoram quase ou mais de 2 horas? TÔ FORA! Prefiro ir direto ao ponto e resolver minha insanidade temporária causada pelos hormônios! :)

3 comentários:

Ana Cecília disse...

Nem preciso comentar que tudo se passa, igualzinho, aqui em casa! E tb senti que os 30 me deram de presente mais disposição para a coisa! rs
Abraços em todos.

Data Especial (www.dataespecial.com.br) disse...

Nossa, tomei um susto!! 12 anos que EU TE CONHECO JA?
porque eu conheci vc na mesma epoca que vc conheceu seu marido kkk lembro bem de vcs dois no Rio... la em casa... kkkk mundo da voltas!

To louca pra ir visitar vcs hein!
ja avisei!

Beijos

Sam Gui Sam disse...

Gurias, cinema faz horas q eu não vou tb!!! a ultima vez eu ainda estava gravida!!!...