terça-feira, 15 de julho de 2008

Primeiros dias - Bel

Nunca fui uma pessoa que ficasse babando nas crianças, querendo pegar bebezinhos no colo ou servindo de babá voluntária para os primos mais novos. Por isso, quando engravidei aos 20 anos, a família ficou em polvorosa...e agora!....o que será dessa criança?....a Bel não tem jeito com crianças!

A Caru nasceu. Já na maternidade, quando a enfermeira veio tratar dela a primeira vez (optei que ela ficasse no quarto comigo) já fui logo avisando: você ensina, cuido eu. Chegando em casa, a mesma coisa, as avós apostando para ver qual daria o primeiro banho...ha, ha, ha....a filha é minha, eu dou o banho.

E foi assim, instintivamente, a partir do momento que peguei a minha filha no colo pela primeira vez, eu já sabia ser mãe como se tivesse feito isso a vida toda. Nunca senti medo, insegurança, nada. Sempre cuidei eu mesma dos 3, sem enfermeira, babá, avó pra ajudar. As pessoas ajudavam, sem dúvida, nas outras coisas, porque todo mundo que já passou por isso sabe que um recém nascido em casa, nos primeiros dias, nos absorve 100% e as outras coisas ficam em segundo plano. Mas dos meus filhos, quem cuidou fui eu.

A prova de fogo foi quando nasceu o Alessandro, pois o Thomas ainda tinha 3 aninhos e demandava cuidados, mas aí a Carolina já era mocinha e sempre ajudou muito (nem sempre voluntariamente) e foi essencial para que desse tudo certo.

A que eu atribuo essa facilidade? Ao imenso prazer que sempre tive e tenho ainda de estar com meus filhos e cuidar deles. Com exceção de programas absolutamente inapropriados às crianças (e que eu evitava a todo custo), sempre carreguei meus filhos comigos para onde fosse, por puro prazer mesmo.

Quando estava separada do meu primeiro marido e viajava de férias, Caru sempre me acompanhou. As pessoas estranhavam: por que você não a deixa com alguém e aproveita as férias? Como assim!!!! Aproveitar as férias era estar na companhia dela. Quantas e quantas vezes ela dormia no meu colo nos barzinhos a beira mar. Juntas (juntas mesmo) conhecemos o nordeste todo. Era a companhia que eu queria, mais nada.

Ainda hoje é assim. Não troco a companhia deles por nada. Não preciso e junca precisei "descansar" dos meus filhos. Nunca quis babá, na minha cabeça era inadmissível outra pessoa que não conheço profundamente cuidando, ensinando, conversando com meus filhos. Quando tive de trabalhar, coloquei na creche e eles amavam. Só com a Caru tive a sorte de poder contar com minha sogra na época, uma pessoa incrível que olhava ela pra mim quando eu trabalhava e que me ajudou muito. E que sempre me cobrava: sai um pouco, aproveita, você só trabalha! Eu trabalhava sim, mas na hora de aproveitar, era a minha filha que eu queria por perto.

E deu certo, muito certo. Cuidei dos 3 sozinha, nunca passei nenhum apuro, foi tudo muito intuitivo e principalmente prazeroso.

E mal posso esperar pelo próximo fim de semana, quando estarão os 3 aqui comigo, debaixo da minha asa. E mais o quarto agregado, o Betão, que é filho também, né? Do jeito que eu gosto!!!!

Beijos

Bel

7 comentários:

Jo disse...

Conheço bem o tipo!
Já tinham me dito que vc era um "pouquinho" controladora! rsrsrs
Mas como podemos comprovar... os filhos estao MUITO BEM CRIADOS! sinal de que a estratégia deu certo!
:)

Beijos e Beijos
Jo

Fabiane Chianca disse...

Parabéns pelos primeiros dias sozinha com eles..

Eu e meu marido tbm optamos pelo primeiro dia dele aqui em casa só nós trÊs e nos viramos bem viu..
hahah..Depois no segundo minha mãe dormiu aqui..e descansamos bastante..
bjussssss

Bia® disse...

Bel, sinceramente, vc tá certíssima.

Eu concordo em gênero, número e grau, eu acho que nós temos que cuidar nos nossos filhos.

Depois que eu passei a barra pesada da deprê, eu assumi tudo sozinha e nunca quis que ninguém tomasse minha frente na criação dele e não me arrependo.
Tbm sou adepta do meu divertir com ele, tbm viajo com ele pra onde quer que seja, claro, não vou mentir, seria mais tranquilo se fôssemos sozinhos (eu e marido), mas que graça teria?

Agora com 3 não sei como faria, eu acho vc uma guerreira.
Mas não moram os 3 com vc, é isso?
beijos.

Caru disse...

Mãe, sua ridícula!!!

Pra variar, chorei horrores lendo seu post!!!! hahaha...

Adoro o jeito como fala de ser mãe. E adoro mais ainda porque é a MINHA mãe. Realmente, de dar inveja a qualquer um.

AMO MUITO VOCÊ!

bj

kika disse...

Eu também pensava assim... que não queria "ajuda" de uma babá que "acabaria me dando ordens" sobre como cuidar do meu filho... E NÃO tive babá.... mas confesso que no próximo, ela já está TOTAL dentro dos meus planos!
Meu esquema foi o seguinte: enquanto amamentei, cuidei do LUca em tempo INTEGRAL! as pouquíssimas vezes que saí de casa, foram por 1/2hs no máximo e voltava... Conforme ele foi crescendo e já tinha SUA ROTINA estabelecida, tomei uma decisão: CONTRATEI UMA BABÁ FOLGUISTA! Minha babá chega as sextas e vai embora na segunda de manhã!
Isso faz com que eu largue meu filho nos finais de semana?? Claro que não! Mas as 9 da noite, INPRETERIVELMENTE, ele está dormindo no aconchego do seu bercinho! E eu posso sair tranquila! sabendo que, mesmo que estivesse em casa, não estaria furtando meu filho da minha companhia! Meu filho NUNCA foi a um bar! NUNCA ... acho que não precisa, AINDA...
E isso faz bem a ele, pq não sai da sua rotininha delíca... faz bem a mim como mãe, pq não sinto "culpa" por estar com meu filho na rua até tarde e, principalmente, faz bem ao meu casamento! Pq, podemos ser namorados
enfim... pra mim,, funciona que é uma maravilha!

bjs bel!

Re disse...

Que legal isso, pois eu tb nao tenho a minima afeição com crianças e juro, morro de medo de nao conseguir ser uma mae decente, de nao saber cuidar..e lendo seu post, me acalmei, pois tenho fé que o dia que tiver meu baby, tb venha essa luz divina e me transforme em mae.

Laís disse...

Gostei demais do blog de vocÊs!
Tambem sou mãe e é otimo encontrar um blog desses! estão de parabens!
abraços!